Total de visualizações de página

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Estou em Rondônia.
Vim aqui pra visitar as terras indigenas Nambiquara que ficam em  Comodoro, Mato Grosso.Tenho um projeto de livro infantil  que gostaria de realizar com as crianças.
De quebra ganhei um presente: Pude presenciar a festa da menina moça, tradicional festa do povo  nambiquara.
Ganhei a festa, e muitas indagações.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

afirme-se!


Esta é uma campanha pela manuntenção das cotas e demais ações afirmativas tão caras a população afro descendente deste país.
Não podemos ficar de fora disso.
Esse chamamento é para aqueles que acreditam na justiça social, na dignidade humana, no direito de igualdades, no bem comum e no empoderamento étnico social!
Vamos lá! Vale participe do jeito que você puder, só não vale não participar! 

Mais informações sobre a campanha no link:http://afirmese.blogspot.com/

levando minha criança pra brincar

Menina, desce daí! Cuidado pra não cair!

 Eu estou  aqui  esperando, enquanto voce se delicia  de goiaba no pé.

Estou sentada vendo você sorrir e seu sorriso é tão grande e faz duas covinhas, sendo a do lado direito mais profunda.

Profunda é a tua alma, pequena,  e teu sonhos ainda nem começaram, mas você não liga, porque seu universo particular não permite restrinções....

Vai brincar ao redor da casa, corre de cansar  de seus fantasmas intimos, seus amiguinhos, que as vezes não te deixam dormir.

Zomba deles e dança descalça no chão batido de terra...

Deixa estar que estou te esperando.

Não tenha presa. A vida é tão curta.

Mas não se esqueça de pegar as sementes de mamoma, elas dão ótimos estilingues.

Quando cansar me fala, e aí vamos embora.

Vamos embora minha menina, somente quando você cansar de brincar...
Ser feliz ou ter uma vida interessante?

Esta indagação nasceu a partir de um texto que li da Marta Medeiros, na citação do psicanalista Contardo Calligaris que argumenta  que ser feliz não é tão importante,  mas vale viver uma vida interessante.

Se isso me fosse dito quando esperava que o sol  nascesse igual todas as manhãs, com a minha intrasigência habitual, maturada pela imaturidade, mandaria esse psicanalista ir colher chuchus, como nos versos da Adélia.

Mas hoje me sinto muito pertencida dessa idéia.

Não sou cínica de dizer que a felicidade não existe. Não,  ela existe sim,  e é a glória.Porém, cansada de dar murro em ponta de faca, rendo-me ao inevitável.

Não precisar da felicidade para ser feliz é  de uma libertação  que ainda  me choca.

Mas vou acreditando nisso a cada dia, com  a força dos tratores.

Quando acreditamos que pequenas coisas podem atrapalhar a nossa tão sonhada felicidade, é porque ainda não estamos prontos para estar  na chuva e se molhar.

Um dia de chuva jamais pode apagar o fogo do dia,  é preciso vestir o vestido preferido mesmo com o fio puxado, é preciso entender que o homem que a gente ama, não é perfeito, e nem deveria ser, porque ninguém é...

Não que tenhamos que nos contetar com pouco, com o mínimo, com a falta de atenção, com o desassossego, mas é preciso adquirir da vida o que ela tem de melhor para nos oferecer e, muitas vezes, não é exatamente aquilo que  a gente sonhou.

E aí? cavar angústia? chorar infelicidade?esgotar a paciência?

Nada disso,  acredito que temos que encarar de peito aberto o que  a vida nos deu e celebrar.
Estar apto, estar disposto, não encarar  as escolhas e as decisões em que não podemos intervir de maneira absoluta  e caótica.

A vida é sistema aberto.

Suspiro ao escrever isso. Passada a aflição da metáfora, posso me entregar a antítese sem medos.

Me sinto bem desafiando o desconhecido, partindo para os desafios sem segundas intenções, a não ser a intenção de viver mesmo, gosto de me deleitar  com minhas pequenas ambições, como ler um livro sem ser incomodada, isso sim felicidade suprema.

São as pequenas coisas que nos fazem grandes, que nos fazem bem, mas infelizmente não nos damos conta disso.

Eu tive que aprender minhas lições no sufoco.

Mas sou obediente da vida. E aprendi a tirar proveito e prazer das coisas que me são ofertadas.

A tão almejada felicidade já não é mais sonhada.Procuro não virar as costas para as metas tradicionais, mas vou aprendendo  a lidar com elas de maneira inteligente, lúdica, sem nunca esquecer o que sonho pra mim.

Eu só me dei conta disso, quando saí da estadia do poço e vi que  a cada dia eu recomeçava do zero.

 Estava ali afinal, o que eu  nunca busquei, mas aprendi a lição de tal maneira que não me esqueço.

Não busco mais a tal felicidade nos dias que seguem.

Estou disposta sim,  a tornar o  dia interessante,  vivê-lo intensamente com todos as suas matrizes, dia por dia, hora por hora,  sem me prender aos detalhes insugnificantes, à pessoas mediocres,  a fatos que empobrecem o viver, vou colhendo do dia, as escolhas e surpresas que ele pode oferecer. E curto isso.

Não estou dizendo que é fácil.

Realmente viver dá trabalho.

Mas é tão bom.   

   " Poesia vende sim, eu compro!"

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Abrazo Amoroso de Frida Kahlo


Tem pessoas que acham que podem incomodar os outros em nome de Deus.
Todos poderosos, usam  a voz  da imposição para julgar quem são os escolhidos ou não.
Te medem pelo vestrir, pelo falar, pelo andar..
Te julgam e te condenam se os versiculos da biblia não forem sua leitura de cabeceira.
Religiosamente corretos  usam o nome de Deus, como  arma e armadilha.
Os incautos podem ser sentir culpados.
Os incultos, predestinados,
os crédulos, salvos,
Os céticos, serão julgados e condenados a um eterno fogo do inferno.
E Deus, coitado, deve passar seus dias pensando que mal ele fez  a si mesmo....

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Estes dias tão fresquinhos... hoje esse caloréu...
É tudo tão confuso.
O assassino do João Hélio foi solto. Pode mudar de país, de estado, de nome, de vida.  Dizem que ele está sendo ameaçado de morte.
Ficou três anos preso.
E agora o que vai ser feito dele?  Não sei.
E o que vai ser feito da gente?

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

 
Arte: Shapiro



Dentro de minha casca tem um silêncio feroz...
Manoel de Barros.

ainda carnaval no rio

O que houve de pior no carnaval do Rio? Os lamentáveis banheiros químicos...
Que nojeira, que horror. Na primeira vez que usei, inocente de seus males, entrei com a cara e a coragem, e ...quase vomitei...E olha que não sou fresca...
Logo descobri que para usá-los, você  não podia respirar pelo nariz e sim pela boca e  não pensar nas milhares de bactérias expostas no ar...
E nunca, nunca mesmo olhar para baixo... para  mistura de xixi, papéis higiênicos e outras cositas más....

Opções para o uso do banheiro público? Ficar em casa e usar o seu próprio banheiro, não beber ou ser preso.

Outro fato lamentável foi o recolhimento do lixo.

Tanto estardalhaço por conta do xixi alheio e,  Sr. Prefeito, cadê as latas de lixo da cidade do Rio de Janeiro?

Eu que tenho dificuldades homéricas de jogar lixo na rua, me vi em altas divagações  filosóficas ambientais: jogar no chão ou não jogar?
Mas a prefeitura do Rio, não me deu opções. A única opção era jogar o lixo no chão mesmo.

Agora o melhor do carnaval?
Além do povo do Rio que  mostrou sua irreverência de maneira espetacular, que beleza de carnaval de rua!
(mesmo com a onipresença da Antartica, eu na verdade, não posso reclamar, só bebo antartica mesmo) que maravilhoso os blocos, sem brigas, sem violência, sem problema algum...

A Lapa sempre maravilhosa com seus atores fundamentais para uma boa boemia no Rio. Mas o melhor de tudo e de todos foi o  Cordão do Boitatá, domingo de manhã, no Paço Imperial

Delírios de beleza, música boa,  fresquinha debaixo das árvores frondosas, gente bonita de doer, fantasias incríveis, cerva três por cinco, estupidamente bom.

Agora é descansar e recarregar.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

carnaval no rio

Não sei o que me deu.
Aflição de carnaval.
Hoje é o primeiro dia e parece que é o último.
Na verdade, tudo começou ontem em Ipanema e acabou hoje na Lapa...
Deu tempo de antartica, kasller, pipoca e sundae de banana.
Tudo misturado.
Embalos da Folia.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Meu jogo de tarô hoje:


Passado- O Imperador "Toda vontade pode ser realizada, querer é poder, mas permanecer dependerá de compreensão e habilidade". 


Presente- A Força "Seja mais tranquilo, esteja em paz. Deixe o destino agir, ele está a seu lado. Tudo vai dar certo!"


Futuro-O sacerdote  "Tudo na vida é pleno de possibilidades, realização e continuidade, mas o respeito ao próximo é imprescindível para a felicidade". 


É. Sei lá. vai ver que sim.  





outras miudezas


Prometo ser pudica, comportada  e séria.

Prometo cuidar da minha vida e dos meus gatos
Prometo nunca olhar pra trás

Prometo usar os meus vestidos mais bonitos
e usar os cabelos cacheados
Prometo  não roer mais as unhas
e não ficar bêbada na terceira cerveja.

Prometo que cuido das minhas inundações
Prometo acalmar os  meus vendavais.
Prometo não sucumbir, não exagerar, não rir alto  e não responder ao chefe.

Prometo que serei obediente e procurarei esquecer
estes dias lendo Cortázar

Prometo que quando olhar o céu não vou pensar no que você estará pensando
e prometo que vou dormir cedo pra manhã  chegar depressa e eu poder ler o jornal.

Prometo que assim será.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

ractal de sofhie lerlei


“De vez em quando Deus me tira a poesia.
Olho pedra, vejo pedra mesmo.
O mundo, cheio de departamentos, 
não é a bola bonita caminhando solta no espaço.”
Adélia Prado
O pecado tem cor....

  

E sabor.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010


O mundo é pequeno eu sei, e repletos de segredos, mas eu não tenho pressa.

Aprendo devagar.

Gosto de observar  as coisas, primeiro.

Gosto de observar os besouros, as roseiras e os brotos verdinhos claros das bungavilias do jardim.
Todas as coisas são comprometidas.
Os rios, os peixes, as estrelas do mar...

De tardinha gosto de sentar no banquinho e observar a ciência das coisas
os caminhos das formigas,a andorinha se recolhendo pra dormir.

Mas me conta dos seus olhos?

Eles são um segredo que na verdade, tenho medo de saber, mas mesmo assim, me  comove.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

A Indústrias Nucleares do Brasil (INB) opera a mina de urânio de Caetité há anos e, apesar de garantir que faz análises periódicas da água em poços do município, a empresa sempre insistiu que nunca detectou qualquer grau de radiotividade nocivo à saúde humana.

Depois da denúncia de contaminação radioativa em poços no entorno da mina feita pelo Greenpeace em 2008, e que estudos independentes, dentre eles do Instituto de Gestão de Águas da Bahia – Ingá, registraram a presença da contaminação em níveis considerados nocivos à saúde humana, a estatal mudou o discurso. Passou a dizer que a extração que realiza não está relacionada à contaminação e que a radioatividade encontrada na água é fruto do alto teor de urânio presente no solo da região. Em outras palavras, a INB deu uma de Pôncio Pilatos e lavou as mãos.

Na semana passada, ativistas do Greenpeace foram até a mina de urânio realizaram um protesto na mina de urânio questionando a contaminação. Além disso, convidaram o secretário de recursos hídricos do município a beber da água coletada no ponto contaminado de Barreiros. Nilo Joaquim de Azevedo, no entanto, zelou por sua saúde e recusou-se a tomá-la.

Você também é um ativista, clique aqui e assine a petição. Exija que a INB prove que não é responsável pela contaminação da água de Caetité/BA. Exija também que, mesmo no caso de ser inocente, a INB assuma a responsabilidade de orientar a população e impedir o consumo de pagua contaminada no município.



Ajude o Greenpeace a proteger os brasileiros da contaminação de água por urânio. Filie-se.

E acompanhe o desenrolar dessa história:
Site, blog, twitter, facebook, flickr, youtube

Se você já assinou, o Greenpeace agradece sua participação.


Um toque.

Esse silêncio é tão bonito.

Forte. Quase sagrado.
É o silêncio que antecede aos vendavais, às  colheitas, às grandes paixõe, às revoluções...

Esse silêncio é tão bonito.

Sensível. Maduro. Inquebrantável.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

manoel de barros


(...)Toda vez que encontro uma parede
ela me entrega às suas lesmas.
Não sei se isso é uma repetição de mim ou das lesmas.
Não sei se isso é uma repetição das paredes ou de mim.

Estarei incluído nas lesmas ou nas paredes?

Parece que lesma só é uma divulgação de mim.
Penso que dentro de minha casca
não tem um bicho:
Tem um silêncio feroz.

Estico a timidez da minha lesma até gozar na pedra.





  (Mundo Pequeno
do livro "O Livro das Ignorãças")

 
Já olhou pro céu hoje?

Não?

Então olha....

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010


"Yèyé omo ejá
("Mãe cujos filhos são peixes")






O DÔ SEI ABÁ!

sobre gatos


Tenho andado com um sono terrível.

Desde que adotei meus gatinhos, acordo toda hora de madrugada pra ver como eles estão. Se estão bem, se engasgaram com alguma planta. sei lá.
Coisa de mãe.


 Eu não sei se falei no outro post,  mas na verdade eram três os gatinhos abandonados, só que   na hora que eu peguei os  meus dois  pequenos, esse gatinho infelizmente não estava entre eles.


Para espantar os maus presságios, coloquei na cabeça que ele não estava ali, pois havia sido adotado por uma familia feliz e imperfeita como a minha.

Mas no sábado, achamos  o terceiro gatinho perdido. A irmazinha da Sofia e do Loki.
Ela estava na rua do lado, mortalmente ferida.
Levei a gatinha  no plantão veterinário, a Drª Jaqueline disse que ela ou havia levado um pontapé muito violento ou  um cachorro deu um forte sacode nela.
Mas  o que a Doutora achava  mesmo era que ela tinha levado um pontapé no meio da barriguinha.
De alguém que, obviamente,se considera humano.

Bem,  eu realmene não vou entrar em detalhes do acho de uma pessoa que faz isso com pequeno animal indefeso( Mais um  fato  na minha  lista de crimes inafiançáveis).

Mas voltando ao nosso assunto, batizamos ela de Vitória, ou melhor, Vivi,  investimos na sua vida com carinho. Acreditamos, compramos remédios, colírios para seus doces olhinhos azuis que estavam quase cegos, nos desmanchamos de amor e cuidados, mas  na tarde de domingo, ela morreu de  hemorragia interna.

Era tão pequeninha,chorei pacas.

Não gosto de ver nada sofrendo.Nem gente, nem bicho, nem planta.
 Passei de um estágio de euforia para um tristeza profunda.
Com essa pequena tragédia familiar, me apeguei mais aos meus pequenos.Sofia e Loquinho.
Só consegui falar no assunto hoje.

Estava triste de doer. 
Sem saco.
Expectativas.
Jupiter disse que vai chover na minha horta.

Quero só ver.