Total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Não sou desesperada nem tampouco frustrada
algumas vezes vou remando contra a maré
outras tantas vou na marolinha.
Tenho dias de grandeza:transatlântico, transando todas...

quarta-feira, 29 de abril de 2009

meu comercial

Sexta feira estarei na festa do Trabalhador lá em Japeri, baixada fluminnese, contando histórias....

Quem quiser fazer uma viagem, é só chegar...

Das 14h as 16hs, no Stand da Secretaria de Educação.

domingo, 26 de abril de 2009

dizem por aí....

Ser delicado com as pessoas e consigo mesmo, acredito que tenha muito a ver com saber enfrentar o mundo, as diferenças, as crenças, os pontos de vista alheios.

Ser delicado também supõem ter educação com o outro, consigo e saber que tudo pode ser dito de maneira que não ofenda a outra pessoa, pois como dizem por aí,raiva e ofensa só atrasam a vida de quem as vive.

Não é ter frescuras, mas sim,saber falar.

Existem pessoas que são indelicadas de nascença, existem pessoas que são indelicadas e ofendem os outros através de intimidação intelectual,e tantos outros jeitinhos indelicados, que por mais que tenham boas intenções, machucam.

Aliás, de boas intenções, o inferno está cheio.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

carta da terra


Ontem foi o dia da Terra, e eu gosto demais desse dia, porque amo e respeito tudo que esse planeta nos oferece e dentro do permitido, me esforço tremendamente pra protegê-lo.

Mas ontem tinha mil coisas na cabeça.Não que hoje elas tenham desaparecido, antes pelo contrário, continuam martelando inutilmente, buscando saídas...

Não podia deixar de postar esse dia tão especial.

Nestes dias de falta de vergonha total de nossos parlamentares, que nos causam tanto desgosto e vergonha de sermos representados por pessoas tão torpes e de baixo calão, nos resta esse planeta lindo, que é de nossa total responsabilidade.

Vamos dar uma resposta diferente à ele.

Saúdo vocês com o texto da Carta da Terra.

"A missão da Iniciativa da Carta da Terra é promover a transição para formas sustentáveis de vida e de uma sociedade global fundamentada em um modelo de ética compartilhada, que inclui o respeito e o cuidado pela comunidade da vida, a integridade ecológica, a democracia e uma cultura de paz."

Leia o documento esse belíssimo compromisso com a vida.


Crise from Naima Almeida on Vimeo.

O texto da Carta da Terra:

"PREÂMBULO

Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro reserva, ao mesmo tempo, grande perigo e grande esperança. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio de uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos nos juntar para gerar uma sociedade sustentável global fundada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade de vida e com as futuras gerações.

TERRA, NOSSO LAR

A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, nosso lar, é viva como uma comunidade de vida incomparável. As forças da natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade de vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todos os povos. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.

A SITUAÇÃO GLOBAL


Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, esgotamento dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e a diferença entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e são causas de grande sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.

DESAFIOS FUTUROS

A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida. São necessárias mudanças fundamentais em nossos valores, instituições e modos de vida. Devemos entender que, quando as necessidades básicas forem supridas, o desenvolvimento humano será primariamente voltado a ser mais e não a ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos no meio ambiente. O surgimento de uma sociedade civil global está criando novas oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos podemos forjar soluções inclusivas.

RESPONSABILIDADE UNIVERSAL

Para realizar estas aspirações, devemos decidir viver com um sentido de responsabilidade universal, identificando-nos com a comunidade terrestre como um todo, bem como com nossas comunidades locais. Somos, ao mesmo tempo, cidadãos de nações diferentes e de um mundo no qual as dimensões local e global estão ligadas. Cada um compartilha responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade humana e de parentesco com toda a vida é fortalecido quando vivemos com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo dom da vida e com humildade em relação ao lugar que o ser humano ocupa na natureza.

Necessitamos com urgência de uma visão compartilhada de valores básicos para proporcionar um fundamento ético à comunidade mundial emergente. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes princípios, interdependentes, visando a um modo de vida sustentável como padrão comum, através dos quais a conduta de todos os indivíduos, organizações, empresas, governos e instituições transnacionais será dirigida e avaliada.


PRINCÍPIOS

I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DE VIDA

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.

Reconhecer que todos os seres são interdependentes e cada forma de vida tem valor, independentemente de sua utilidade para os seres humanos.
Afirmar a fé na dignidade inerente de todos os seres humanos e no potencial intelectual, artístico, ético e espiritual da humanidade.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.

Aceitar que, com o direito de possuir, administrar e usar os recursos naturais, vem o dever de prevenir os danos ao meio ambiente e de proteger os direitos das pessoas.
Assumir que, com o aumento da liberdade, dos conhecimentos e do poder, vem a
maior responsabilidade de promover o bem comum.
3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.

Assegurar que as comunidades em todos os níveis garantam os direitos humanos e as liberdades fundamentais e proporcionem a cada pessoa a oportunidade de realizar seu pleno potencial.
Promover a justiça econômica e social, propiciando a todos a obtenção de uma condição de vida significativa e segura, que seja ecologicamente responsável.
4. Assegurar a generosidade e a beleza da Terra para as atuais e às futuras gerações.

Reconhecer que a liberdade de ação de cada geração é condicionada pelas necessidades das gerações futuras.
Transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apóiem a prosperidade das comunidades humanas e ecológicas da Terra a longo prazo.
II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA

5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial atenção à diversidade biológica e aos processos naturais que sustentam a vida.

Adotar, em todos os níveis, planos e regulamentações de desenvolvimento sustentável que façam com que a conservação e a reabilitação ambiental sejam parte integral de todas as iniciativas de desenvolvimento.
stabelecer e proteger reservas naturais e da biosfera viáveis, incluindo terras selvagens e áreas marinhas, para proteger os sistemas de sustento à vida da Terra, manter a biodiversidade e preservar nossa herança natural.
Promover a recuperação de espécies e ecossistemas ameaçados.
Controlar e erradicar organismos não-nativos ou modificados geneticamente que
causem dano às espécies nativas e ao meio ambiente e impedir a introdução desses
organismos prejudiciais.
Administrar o uso de recursos renováveis como água, solo, produtos florestais e vida marinha de forma que não excedam às taxas de regeneração e que protejam a saúde dos ecossistemas.
Administrar a extração e o uso de recursos não-renováveis, como minerais e combustíveis fósseis de forma que minimizem o esgotamento e não causem dano ambiental grave.
6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for limitado, assumir uma postura de precaução.

Agir para evitar a possibilidade de danos ambientais sérios ou irreversíveis, mesmo quando o conhecimento científico for incompleto ou não-conclusivo.
Impor o ônus da prova naqueles que afirmarem que a atividade proposta não causará dano significativo e fazer com que as partes interessadas sejam responsabilizadas pelo dano ambiental.
Assegurar que as tomadas de decisão considerem as conseqüências cumulativas, a longo prazo, indiretas, de longo alcance e globais das atividades humanas.
Impedir a poluição de qualquer parte do meio ambiente e não permitir o aumento de substâncias radioativas, tóxicas ou outras substâncias perigosas.
Evitar atividades militares que causem dano ao meio ambiente.
7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário.

Reduzir, reutilizar e reciclar materiais usados nos sistemas de produção e consumo e garantir que os resíduos possam ser assimilados pelos sistemas ecológicos.
Atuar com moderação e eficiência no uso de energia e contar cada vez mais com fontes energéticas renováveis, como a energia solar e do vento.
Promover o desenvolvimento, a adoção e a transferência eqüitativa de tecnologias
ambientais seguras.
Incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço de venda e habilitar os consumidores a identificar produtos que satisfaçam às mais altas normas sociais e ambientais.
Garantir acesso universal à assistência de saúde que fomente a saúde reprodutiva e a reprodução responsável.
Adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e subsistência material num mundo finito.
8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover o intercâmbio aberto e aplicação ampla do conhecimento adquirido.

Apoiar a cooperação científica e técnica internacional relacionada à sustentabilidade, com especial atenção às necessidades das nações em desenvolvimento.
Reconhecer e preservar os conhecimentos tradicionais e a sabedoria espiritual em todas as culturas que contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
Garantir que informações de vital importância para a saúde humana e para a proteção ambiental, incluindo informação genética, permaneçam disponíveis ao domínio público.
III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA


9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.

Garantir o direito à água potável, ao ar puro, à segurança alimentar, aos solos não contaminados, ao abrigo e saneamento seguro, alocando os recursos nacionais e internacionais demandados.
Prover cada ser humano de educação e recursos para assegurar uma condição de vida sustentável e proporcionar seguro social e segurança coletiva aos que não são capazes de se manter por conta própria.
Reconhecer os ignorados, proteger os vulneráveis, servir àqueles que sofrem e habilitá-los a desenvolverem suas capacidades e alcançarem suas aspirações.
10. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os níveis promovam o desenvolvimento humano de forma eqüitativa e sustentável.

Promover a distribuição eqüitativa da riqueza dentro das e entre as nações.
Incrementar os recursos intelectuais, financeiros, técnicos e sociais das nações em desenvolvimento e liberá-las de dívidas internacionais onerosas.
Assegurar que todas as transações comerciais apóiem o uso de recursos sustentáveis, a proteção ambiental e normas trabalhistas progressistas.
Exigir que corporações multinacionais e organizações financeiras internacionais
atuem com transparência em benefício do bem comum e responsabilizá-las pelas
conseqüências de suas atividades.
11. Afirmar a igualdade e a eqüidade dos gêneros como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas.

Assegurar os direitos humanos das mulheres e das meninas e acabar com toda violência contra elas.
Promover a participação ativa das mulheres em todos os aspectos da vida econômica, política, civil, social e cultural como parceiras plenas e paritárias, tomadoras de decisão, líderes e beneficiárias.
Fortalecer as famílias e garantir a segurança e o carinho de todos os membros da
família.
12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, com especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias.

Eliminar a discriminação em todas as suas formas, como as baseadas em raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
Afirmar o direito dos povos indígenas à sua espiritualidade, conhecimentos, terras e recursos, assim como às suas práticas relacionadas com condições de vida sustentáveis.
Honrar e apoiar os jovens das nossas comunidades, habilitando-os a cumprir seu
papel essencial na criação de sociedades sustentáveis.
Proteger e restaurar lugares notáveis pelo significado cultural e espiritual.
IV. DEMOCRACIA, NÃO-VIOLÊNCIA E PAZ

13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e prover transparência e responsabilização no exercício do governo, participação inclusiva na tomada de decisões e acesso à justiça.


Defender o direito de todas as pessoas receberem informação clara e oportuna sobre assuntos ambientais e todos os planos de desenvolvimento e atividades que possam afetá-las ou nos quais tenham interesse.
Apoiar sociedades civis locais, regionais e globais e promover a participação significativa de todos os indivíduos e organizações interessados na tomada de decisões.
Proteger os direitos à liberdade de opinião, de expressão, de reunião pacífica, de associação e de oposição.
Instituir o acesso efetivo e eficiente a procedimentos judiciais administrativos e independentes, incluindo retificação e compensação por danos ambientais e pela ameaça de tais danos.
Eliminar a corrupção em todas as instituições públicas e privadas.
Fortalecer as comunidades locais, habilitando-as a cuidar dos seus próprios ambientes, e atribuir responsabilidades ambientais aos níveis governamentais onde possam ser cumpridas mais efetivamente.
14. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável.

Prover a todos, especialmente a crianças e jovens, oportunidades educativas que lhes permitam contribuir ativamente para o desenvolvimento sustentável.
Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.
Intensificar o papel dos meios de comunicação de massa no aumento da conscientização sobre os desafios ecológicos e sociais.
Reconhecer a importância da educação moral e espiritual para uma condição de vida sustentável.
15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.

Impedir crueldades aos animais mantidos em sociedades humanas e protegê-los de sofrimento.
Proteger animais selvagens de métodos de caça, armadilhas e pesca que causem sofrimento extremo, prolongado ou evitável.
Evitar ou eliminar ao máximo possível a captura ou destruição de espécies não visadas.
16. Promover uma cultura de tolerância, não-violência e paz.

Estimular e apoiar o entendimento mútuo, a solidariedade e a cooperação entre todas as pessoas, dentro das e entre as nações.
Implementar estratégias amplas para prevenir conflitos violentos e usar a colaboração na resolução de problemas para administrar e resolver conflitos ambientais e outras disputas.
Desmilitarizar os sistemas de segurança nacional até o nível de uma postura defensiva não-provocativa e converter os recursos militares para propósitos pacíficos, incluindo restauração ecológica.
Eliminar armas nucleares, biológicas e tóxicas e outras armas de destruição em
massa.
Assegurar que o uso do espaço orbital e cósmico ajude a proteção ambiental e a paz.
Reconhecer que a paz é a plenitude criada por relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, outras culturas, outras vidas, com a Terra e com a totalidade maior da qual somos parte.
O CAMINHO ADIANTE

Como nunca antes na História, o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Tal renovação é a promessa destes princípios da Carta da Terra. Para cumprir esta promessa, temos que nos comprometer a adotar e promover os valores e objetivos da Carta.

Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de interdependência global e de responsabilidade universal. Devemos desenvolver e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida sustentável nos níveis local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança preciosa e diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de realizar esta visão. Devemos aprofundar e expandir o diálogo global que gerou a Carta da Terra, porque temos muito que aprender a partir da busca conjunta em andamento por verdade e sabedoria.

A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode significar escolhas difíceis. Entretanto, necessitamos encontrar caminhos para harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com o bem comum, objetivos de curto prazo com metas de longo prazo. Todo indivíduo, família, organização e comunidade tem um papel vital a desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os meios de comunicação, as empresas, as organizações não-governamentais e os governos são todos chamados a oferecer uma liderança criativa. A parceria entre governo, sociedade civil e empresas é essencial para uma governabilidade efetiva.

Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo devem renovar seu compromisso com as Nações Unidas, cumprir com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes e apoiar a implementação dos princípios da Carta da Terra com um instrumento internacionalmente legalizado e contratual sobre o ambiente e o desenvolvimento.

Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência face à vida, pelo compromisso firme de alcançar a sustentabilidade, a intensificação dos esforços pela justiça e pela paz e a alegre celebração da vida."

ADESÃO:

http://www.cartadaterrabrasil.org/

terça-feira, 21 de abril de 2009

mahmoud ahmadinejad

Hoje de manhã fiquei indignada ao ler as declarações de que alguns delegados europeus se retiraram da Conferência da ONU, contra o discurso do presidente iraniano.(impronuciavél)

Eu não vi nenhuma ofensa no que foi dito por ele.

Ofensa foi a retirada da sala, numa atitude discriminatória clarissíma.

Ofensa é a intolerância, é não saber ouvir discursos diferente dos seus,
é se contentar com axiomas cristalizados, e por isso irrefutáveis.

Quando leio essas coisas, me vem um asco imenso, porque ninguén sai da sala, quando é para falar sobre as inumeras mortes de inocentes palestinos, que estão acontecendo agora nesse exato momento em que falo com vc.

Ninguem sai da sala, para protestar sobre as mortes em Dafur,por exemplo.

Até quando Israel vai se fazer de vítima pelo seu holocausto, se nós vivenciamos um outro massacre, bem diante de nossos olhos, eu não sei.

O Terror existiu, o holocausto existiu.E é bom mesmo que seja lembrado sempre como simbolo da bestialidade humana.

Mas ao mesmo é preciso romper com esse paradigma para poder ir alem, é preciso deixar de colocar a dívida na conta dos palestinos e buscar saídas humanitárias possíveis.

Não foram eles os causadores do holocausto.

Cobranças por cobranças, a Alemanha fica logo ali.

É o que penso.

Selinhos para mulheres especiais



Olha que bonitinho!
Meu primeiro selinho na net!

Adorei.
A valorização do nosso trabalho é sempre bom.

Então: Feliz da vida Dulce! Brigadim!

Minha amiga Dulce do http://http://em-prosa-e-verso.blogspot.com/ me presenteou e eu vou cumprir minha parte.


Junto com o selinho, a tarefa de cumprir um desafio, cujas regras são as seguintes:

Escrever uma frase, citar um título ou contar uma historia sobre seis assuntos nos seguintes segmentos:
- VIDA, CINEMA, LITERATURA, VIAGEM, AMOR E SEXO;•
Convidar seis colegas de blogs que você realmente considere femininas e inteligentes;•
Linkar o blog que a convidou;•
Postar as regras para que outros as repassem;•
Inserir o selinho que você recebeu.

Então, vamos lá...

Vida: estilo basiquinha: lowprofile, mas com muito tesão.

Cinema: simplesmente adoro, não vivo sem!!!!

Literatura: É um olhar. Por isso diferente, por isso,única.

Viagem: Um modo de vida

Amor: Olhos de Céu.

Sexo: O negócio tá tão brabo que precisei ser lembrada de opinar. Mas sexo é vida!

Os blogs:

http://deliriodasborboletas.blogspot.com/


http://http://compulsaodiaria.blogspot.com/


http://so-brincadeiras.blogspot.com/


http://http://identidadenegra.zip.net/

http://brisa-do-sul.blogspot.com/

http://lomyne.blogspot.com/

revista bacamarte



A sua revista eletrônica de Literatura

No ar a partir de 1º de maio de 2009

Acesse: www.revistabacamarte.com.br

miudezas

O mundo é perfeito, meu deus!

Feriado no Rio,e chovendo!!!!

Que delicia!Depois do calorão desses dias.

Rotina de hoje:Postar os selinhos da Dirce e me afundar no Garcia Marquez.

Estou bem latina esta semana.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

evocação



Acabei de ler como prometido o livro Evocação da Aleida March.
É um livro denso cheio de relatos minuciosos da revolução e repletos de memórias da mulher apaixonada, que luta para estar ao lado do seu homem.

Um homem disciplinado, estudioso,cheio de esperança para um mundo novo.

Leitura recomendada para muitos deputados brasileiros, principalmente nessa época que estamos vivendo, de farra das passagenes áreas com dinheiro público. Eles deveriam ler e tomar vergonha na cara diante daquilo que podemos chamar verdadeiramente de ética.

Voltando à Evocação.

Fui uma militante de esquerda disciplinada e socialista na medida do possível, se é que isso possa dizer alguma coisa. Sonhei muitos sonhos de libertação latina, fiz muita greve e passeatas, lutei muitas lutas sociais e políticas e obviamente fiz muitas leituras sobre o Che e textos de sua própria autoria.

O Diário da Bolivia, alguns discursos internacionalistas, muita biografia, inclusive uma maravilhosa que comprei em um sebo da Tiradentes e que data de apenas dois anos depois da sua morte, com detalhes preciosos, mas que infelizmente se perdeu, em uma das minha inúmeras mudanças.

Devo dizer que o comandante exerceu sobre mim uma forte influência,uma verdadeira ode à liberdade...Pode parecer coisa antiga,sectária , sei lá.

Mas eram outros tempos, bem sei.

Mas também devo dizer que durante todos essses anos, não pude vê-lo com outros olhos que não fosse o de combatente incessante, de militante incasável na luta pela justiça social.

Assim também o via Aleiducha.Antes do amado, o homem que abriu mão de tudo pelos outros.

Mas não que ela não questionasse sobre isso. Antes pelo contrário.Seu relato emociona justamente por ela ter lutado contra ele, para estar com ele. Foi o relato de uma mulher, que revolucionária e combatente também queria o seu direito de amar e de estar ao lado do amado.

Não é uma história de contos de fadas, pois no fim o mocinho morre de maneira abominável. Mas é uma bela história da vida real.

Repleta de momentos felizes, e de dia a dia. Nem por isso melhor ou pior que nenhuma outra história de qualquer pessoa.

Como boa chorona que sou, chorei no final, no relato precioso do resgate dos ossários dos revolucionários da Bolivia trinta anos depois e da chegada definitiva em Cuba, como heróis.

Muito mais do que uma despedida, boas vindas.

Porém, o Che que a crítica coloca como nunca antes conhecido, eu não vi.

Eu já conhecia este Che dentro do meu coração militante.

Não o mito instigante, o sagrado patrimonio das Américas.

Mas o Che que impulsiona jovens há mais de quarenta anos a lutar pela liberdade, é o Che que nos pede ternura, é o Che que nos chama a buscar a disciplina teórica.

É o Che eternamente jovem de Korda.

El Che é movido pela paixão.

E lendo Evocação de sua "Única", parece nos conclamar a rever nossas intenções, nossos paradigmas, nossos desafios e acreditar mais do que nunca neles.

resposta a um comentário anônimo

Caro Anônimo.

A questão não é ficar louca ou não,
ou acabar a vida sozinha ou não.
É muito mais do que isso tudo.
É viver a vida com os pés no chão.

Acho que você não entendeu o meu ponto de vista.
Vamos a ele:

A questão foi que aprendi que a vida é mais do que querer, do que aguardar a felicidade definitiva, como coisa pronta.
Aprendi a não viver a vida esperando que a felicidade dobre aquela esquina, e que eu esteja lá, esperando ela de braços abertos.

Acredito que a felicidade, como conceito, é muito linda e esperançosa e a desejo para todos, inclusive para mim.

Mas não fico mais sem dormir por isso, não faço isso meu ponto de partida.
Nem de chegada.

Além do mais, vamos e venhamos, quem é completamente feliz nessa vida?
Acho que só as crianças.

Um abraço.

sábado, 18 de abril de 2009

descoberta

Estou sentindo umas coisas esquisitas ultimamente.
Alguma pessoas estão dizendo que estou ficando sem educação.
Não. Não é isso não.

Eu sempre fui adepta do viva e deixe viver, e por isso engoli muita coisa vi e ouvi muita abobrinha.

Mas agora não fecho mais os olhos, não engulo mais sapos,não engulo...
Perdi a paciência com os outros e ao mesmo tempo ganhei paciencia comigo mesmo.

Dei por uma coisa que Simone de Beauvoir sempre soube desde a década de 40: Mas do que a felicidade, preciso da minha liberdade.

Desde ontem que estou repetindo com um mantra: A felicidade verdadeira não existe... e isso é muito bom.

Basta-me os momentos felizes. É a sensação de felicidade que me importa. O resto é dia a dia.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

As vezes você tem vontade de rir de si mesmo?

Escancaradamente?

Sem vergonha nenhuma de se expor ao ridículo diante de você e do mundo?

quinta-feira, 16 de abril de 2009

sobre muros

"Um muro para deter o avanço da iniquidade social que nós não conseguimos sequer equacionar, não vai deter coisa alguma..."

Roberto da Matta sobre a polêmica de colocar muros nas favelas do Rio.

Mas assunto não falta:

Vai uma saladinha de agrotóxicos aí?

Ingredientes:
Pimentão
morango
uva
cenoura

Modo de fazer: MIsture tudo e meus pêsames

Ou melhor, faça como o Minitro da saúde: Não coma mais pimentão, ora bolas!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

mamma mia


Acabei de ver o filme "Mamma mia" no Cine sky.

É um filminho mulherzinha, água com açucar e que não chega nem aos pés do Molin Rouge. Mas quem disse que eu estou reclamando?
Eu adoro filmes água com açúcar.Ainda mais com a Merly Streep, ainda mais com o adorável e super gostosão 007 Pierce Brosnan,
Ainda mais com musicas do ABBA gente, do ABBA!!!!

Eu simplesmente adorava o ABBA na pré adolescência.

Antigamente não havia essa mídia toda e eu só fui conhecer a cara dos integrantes do grupo, no dia que finalmente comprei o compact disk do The winner takes it all, que quase furou a minha vitrolinha de tanto tocar.

O mesmo fato se deu com Ready to take a chance again do Barry Manilow, I will Survive e finalmente I'm so glad that i'm a woman do The Love Unlimited Orquestra.

Fora as Olivias Newton Johns da vida. Adorava.( Não contem pra ninguém, mas assisti ao ao filme Grease 8 vezes para pegar os passos de dança e Xanadu, umas setes vezes...Amo)

Mas voltando ao Mamma: A cena em que a Meryl canta The winner takes it all foi linda. Me descontrolei.

Foi um revival tão intenso, que chorei por tudo.A menina de 12 anos se fundiu com a mulher de 42, e quase não sobrou pedra sobre pedra.

Amo muito tudo isso.

sábado, 11 de abril de 2009

....

Aqui estou eu, mais um dia desabando de angustia porque ninguém descobre o que o meu lap top tem...

Minhas coisas estão todas lá.

Poesias, romances inacabados, projetos, contos infantis...

Meu deus, estou ficando mais histérica que sempre, e enquanto isso vou pesquisando para meu primeiro livro juvenil.

Espero recuperar tudo em breve..

Anos de trabalho intelectual.

E eu podia ter feito a porra de um backup.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

puxando angustia

Lá vou eu puxar angústia...

Toda semana santa me lembro da morte do meu irmão.

Morto na sexta feira da paixão de 1975 e enterrado no sábado de aleluia de 1975.

Fazem 34 anos. E Por mais que o tempo passe, e que tudo passe, permanece a lembrança mágica do que vivemos, pequeninos e tão inocentes numa infância para sempre perdida. Irremediavelmente perdida.


Saudades cármicas.

E eternas

sexta-feira, 3 de abril de 2009

house sempre

"Pessoas me interessam
Conversas não me interessam."

Hughie Laurie in Doctor House

Amo.

may man....

Passei a tarde lendo os jornais de anteontem,ontem e hoje.
Adoro cada vez mais o Obama.

Ele é sensacional, chamar o Lula de "my man" foi a glória do G20.

My man pra quem não sabe, é uma gíria de rua usada pelos negros norte americanos. Aiaiai o Obama é demais para meu corazãozinho solitário nessa sexta sem programinhas ordinários e nem extraordinários.

PS: Tudo bem, o Lula não tá com essa bola toda. Mas o Obama.... Ahhh!!!!Esse é demais. Amo.

Outras Miudezas:

Vou me afundar numa leitura psicodramática de Alberto Caiero este final de semana, depois que tive uma poesia minha sobre o mesmo criticada. Fui colocada na fogueira e acusada pela inquisição de não ler Caeiro suficientemente para compor uns versos.

Há Há há.....

Ahhhh.... Ainda bem que amo Adélia, Caeiro, CDA, Manoel de Barros e meu mestre Mario Quintana.

São simples como um dia claro de sol.

Tem vezes que palavras demais atrapalham.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

ser individual x ser individualista

Ser individual não é ser individualista.
Individualista é a pessoa que só pensando em si, faz coisas cujos benefícios se revertem tão somente para si mesmo.
Ser Individual é viver dentro do seu espaço, por vezes limitar convivências, mas sempre apontando para o coletivo.

Apontar para algo, por vezes julgado ultrapassado, o tal do bem comum.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

outras miudezas

Viva.
Bem viva.
Aos 42.
Apaixono-me pela vida mesmo tendo uma luta armada diária pra enfrentar.
A começar por mim mesma.

Viva.
Bem viva.
E ardente.
Tiro vantagem da minha paciência e transparência pra enfrentar os leões.

Vou acertando os ponteiros da vida, e dormindo na varandinha do quarto pra poder ver o céu cheio de estrelas.

Vou aceitando a vida sem os atalhos. Embora meus olhos ainda os procurem.
Á esquerda.
Sempre.

Não quero viver de promoção.
Quero a vida sem prioridades.
Quero tudo.
Ao mesmo tempo.
Agora.

Quero fartar-me.