Total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011



Sobre ontem á noite e outros badulaques:

Um banhozinho quente...
Chandon.
Um céu sem estrelas
e a chuva caindo.
Alguém viu?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011





Paolo Nutini - Candy (Video)


Criminal Minds
Criminal Minds- Criminal Intents
NCIS
CSI Nova York
CSI Miami
Medical Dectetives
Dr. G.

Law and Order- SVU

Você pode me perguntar: Porque só vê essas tragédias?

 Sem resposta, vem a primeira que penso: Porque são Tragédias Humanas

Mas porque meu deus? porque?
Viciei..Punto e basta.

Nos intevalos,amenizo as tragédias com  filmes antigos de bang bang  na MGM e os incansáveis  lengas lengas na TV Senado.

 Você pode me perguntar: Você não tem mais o que fazer da vida?

Pior é que tenho,e faço.

E ainda tenho  árvore de natal pra montar,  tenho que pensar nas conversas que terei  com os parentes na noite de natal, escrevo minhas histórias,faço planos,  leio: jornal, haicai, escuto musica no ytube, organizo palestras, crio projetos, faço educação ambiental, administro meus medos e angústias, planejo o ano de 2012 até 21 de dezembro quando irei de mala cuia, filhos e gata para Cavalcante, fugindo do fim do mundo maia. 

Como louca vou vivendo.

Orfã de facebook
 







quinta-feira, 24 de novembro de 2011

VI semana da consciência negra de japeri


Cultura e História na Semana da Consciência Negra em Japeri



Música, dança, exposição e palestras marcaram a abertura das comemorações da VI Semana da Consciência Negra em Japeri. O encontro aconteceu nesta segunda-feira (21/11), no auditório da Escola Municipal Ary Schiavo, com a participação de autoridades do município, professores, historiadores, estudantes e a população em geral. O objetivo foi refletir sobre a cultura negra e sua importância na formação do povo brasileiro. O evento foi realizado pela prefeitura, através da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COPPIR), da Secretaria Municipal de Governo (SEMUG).
O prefeito de Japeri, Ivaldo Barbosa dos Santos, o Timor, participou da abertura do evento. “ É através do debate, da mobilização, de eventos como este que vamos conscientizar a população na luta contra a discriminação. E Japeri já está engajado nesta luta”, destacou Timor.
O evento foi intercalado com apresentações culturais e palestras. Nas paredes do auditório o público pôde apreciar a exposição de trabalhos realizados pelos estudantes através do projeto “Japeri Mostra a Sua Cara Negra”, da Escola Municipal Ary Schiavo.
Os alunos da E.M. Ary Schiavo foram os primeiros a se apresentar. O grupo, comandado pela professora de Educação Física Denise Guerra, representou um cortejo de brincantes, com brincadeiras de roda, jogos, música e danças africanas e afro-brasileiras.
Logo após as organizadoras do evento, Vera Nascimento e Fátima Reis, ambas da COPPIR, falaram da importância da coordenadoria, criada em 2009, e dos projetos para os próximos anos. “A COPPIR nasceu com o objetivo de promover princípios e diretrizes em defesa dos que sofrem preconceito e discriminação em função da etnia, raça ou cor. O prefeito Timor e o secretário de Governo, Seny Junior, estão nos oferecendo todo o apoio para alcançarmos este objetivo”, disse Vera.
“Em breve teremos vários projetos em parcerias com as secretarias. Com a de Educação e Cultura vamos dar continuidade ao projeto de Educação Continuada voltada para o tema. Saúde da População Negra será o projeto de prevenção realizado com a Secretaria de Saúde. Além do prêmio Zumbi dos Palmares, que faremos com a Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer”, anunciou Fátima Reis.
O primeiro palestrante foi o antropólo, sociólogo e capoeirista Mestre Berg, que falou sobre “A importância dos Ancestrais na Preservação das Tradições Culturais”. Durante a palestra Mestre Berg agradeceu a presença do prefeito Timor, dos secretários Antônio Marcos Aguiar (Defesa Civil), Roberta Bailuni (Educação e Cultura), Carlos Alberto Loroza, o Pelé (Esporte, Turismo e Lazer), além do vereador Marcos Arruda e da diretora da escola, Leila Verônica Silva.
“Ver que o prefeito, os secretários, os vereadores e os educadores se preocupam em discutir cidadania é muito importante para o desenvolvimento da cidade. Estamos vendo o crescimento de Japeri com muito orgulho. Parabéns pela iniciativa”, destacou Berg.
Logo após houve apresentações de jongo e tambor de crioula, com a professora Viviane Araujo e o capoeirista Felipe Monteiro.
O segundo palestrante foi o professor João Carlos Araujo, da Fundação Cultural Palmares. Através da palestra “Encontros dos Bambas e suas Histórias Passadas”, o professor se integrou com o público, relembrando antigos sambas.
O encontro terminou com a apresentação da escola de samba mirim do CIEP Brizolão Wilson Gray, de Belford Roxo. A bateria, os passistas e os puxadores de samba trouxeram o samba-enredo “Navio Negreiro”. A escola de samba mirim foi organizada pelo Grupo de Consciência Negra (GRUCON), coordenado pelo professor José Antônio Barbosa dos Santos, da Escola Municipal Bernardino de Melo, de Japeri.
O próximo encontro da VI Semana da Consciência Negra em Japeri acontecerá na quarta-feira (23/11), das 9h às 12h no auditório da Escola Municipal Ary Schiavo, que fica na Praça Manoel Marques, em Japeri.
FOTOS GUTENBERG LUCINDA.



--
 Fonte: Flavia Rodrigues Assessoria de Comunicação
Prefeitura de Japeri 
]
Impressões dos Alunos da E. M. Ary Schiavo

João Carlos Araujo- Fundação Palmares

Celebrando! 

Prefeito Timor na abertura do evento

 Cortejo de brincantes- alunos da E. M. Ary Schiavo,
com a professora Denise Guerra

Tambor de crioula com Viviane Araujo

 A ornamentação  foi dos alunos da E. M. Ary Schiavo
Com impressões do Projeto " Japeri mostra sua cara negra"
Prefeito Timor e o nosso Glorioso Meste Berg 

Mais cultura na Semana da Consciência Negra em Japeri


Mais cultura na Semana da Consciência Negra em Japeri
As comemorações da VI Semana da Consciência Negra em Japeri terminaram nesta quarta-feira (23/11). O segundo dia do evento foi marcado por apresentações culturais de alunos das escolas municipais, além de palestras com historiadores. O encontro aconteceu no auditório da Escola Municipal Ary Schiavo, no centro de Japeri. A iniciativa foi da prefeitura, através da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (COPPIR), da Secretaria Municipal de Governo (SEMUG).
As organizadoras do evento, Vera Nascimento e Fátima Reis, ambas da COPPIR, destacaram o sucesso do evento. “O mais importante foi estimular o debate entre os estudantes. Este é o objetivo da COPPIR, promover princípios e diretrizes em defesa dos que sofrem preconceito e discriminação em função da etnia, raça ou cor”, explicou Vera.
“O prefeito Timor e o secretário de Governo, Seny Junior, estão nos oferecendo todo o apoio e em breve teremos vários projetos em parceria com as secretarias de Educação, Saúde e Esporte, Turismo e Lazer”, anunciou Fátima.
A literatura e autoestima do negro foram os temas da palestra de Alexandre Lopes Tomé, professor em História e pesquisador de Cultura e Religiosidade Afrobrasileira. “Estes eventos são louváveis, pois são importantes para construir o senso crítico. A prefeitura de Japeri está de parabéns, e que outros encontros aconteçam, independente da semana da consciência negra”, completou Alexandre.
As apresentações culturais ficaram por conta dos alunos das escolas municipais Darcílio Ayres Raunhetti, Professora Etiene de Souza Oliveira, Governador Leonel de Moura Brizola, Professora Celita Rodrigues de Andrade e Santos Dumont. Os estudantes fizeram peças teatrais e danças de origem africana, como o kuduro.
Apresentação da E. M. Etiene de Souza

Apresentação da E.M. Celia Sobreira

Palestra de Alexandre Lopes Tomé

As comemorações da VI Semana da Consciência Negra em Japeri começaram na segunda-feira (21/11). 


--
 Fonte: Flavia Rodrigues Assessoria de Comunicação
Prefeitura de Japeri 

 Foco.
Desfoco. 
Pra que serve tudo isso mesmo?

quarta-feira, 16 de novembro de 2011


Quando eu sair por aquela porta, moço
não tente me fazer voltar atrás.
O tempo é mistério que ninguém entende
nem  esforço e nem filosofias conseguem explicá-lo

Mas não vou esperar o tempo
não sou moça paciente

Tudo o que eu tinha que ver, eu ja vi.  

Tomasse cuidado com suas palavras
soubesse cuidar do seu segredo

Eu nunca pedi um príncipe
e nunca fingir ser uma princesa.

Sou uma mulher de carne, osso
feita de armadilhas e atalhos
armadura e feitiços que vou descobrindo aos poucos....

Quando eu sair por aquela porta, moço
Eu não vou olhar pra trás.

Vida de mulher é um épico....

terça-feira, 15 de novembro de 2011



Fala baixo...pssiuuuuu!!!!!!!

A felicidade baixou por aqui.
Será um dia apenas?
Esse sentimentode vida morte vida.
De coisas que nos escapam
De coisas que escapam sozinhas
Coisas que precismos deixar ir.
Precisamos deixar as coisas morrerem.
Dormir com a morte.
Pra vida renascer.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

domingo, 13 de novembro de 2011


Decifrando...
Decifrado...

Inesperado.

Desejado.

E dentro do elo paralelo

Um universo perdido.

Apresentado.-

E dentro do nada-vazio

Saio.



quinta-feira, 10 de novembro de 2011







Kataplummm...
E lá se foi meu coração...
procuro os restos no meio dos escombros
no meio da multidão, que de olhos fechados, seguem adiante
recolho os cacos com cuidado e me volto pra dentro...
Sábia é Marisa Monte, qu entende tudo de universo particular
Levo meus cacos segurando-os com as duas mãos, junto ao peito.
Recolho tudo. Infimas metades.
Partes minhas.
Custei muito a me amar.

bla bla

quarta-feira, 9 de novembro de 2011



Gata borralheira.
Menina chata.
Precisa de principe pra ser feliz.


Todo mundo nessa  vida quer ser feliz...
Eu também quero.

Escutar os sons que vem de dentro é uma atitude tão sábia...
Larguei a terapia de lado, não disse sequer adeus. O martirio das minhas palavras me apunhalavam em todas as sessões.
Eu bem que sabia  a resposta de tudo.
Eu bem que sabia que devia mandar o mundo se danar e sair atrás do meu destino era só uma questão de tempo.
A unica coisa boa que a terapia me deu foi ter tido a coragem de colocar a minha criança que vivia desde a minha infancia me encurralando a vida ,pra ir brincar.
Mas volta e meia, ela volta esbaforrida, querendo a todo custo deitar na cama da mãe.
E quando vejo ela insistindo, dou de ombros e fumo outro cigarro.
Voltei a fumar depois de dez anos.
Tudo me obriga e minhas costas doem porque  hoje precisei mandar os textos para a editora. Prazo interno. Moça responsável? Não. Estou de olho mesmo é num futuro direito autoral.
Os que tenho atualmente não pagam minhas contas.
Vejam vocês, a minha editora me pede textos, porque não tenho saco para enviar e receber nãos de respostas.
Me obriga.
A vida obriga.
E eu vou entre obrigações e dias afins.
Voltei pro Blog.
Unica saída. Orfã de facebook, por puro querer.
Escritório de campo na varanda. Junto as plantas e a lavanderia.
Faz calor, tiro a roupa.
À noite, esfria. Coloco um echarpe que comprei no camelô de Veneza.
E vou vivendo entre uma coca zero e outros blá bla blas.
Entre Ghost Hunters, CSI e Criminal Intents.
Sonho o dia da casa em pleno cerrado e de nunca mais ter que olhar pra trás.
 

terça-feira, 8 de novembro de 2011


Este final de semana estive em Cavalcante, municipio de Goiás, para realizar atividades de educação ambiental pra consultoria que trabalho. Porém é impossível deixar de ir em Cavalcante, sem visitar a terra dos kalunga, o maior quilombo do terrritório brasileiro.
Foram  muitos os sentimentos transmutadas em sentimentos tão profundos. Sentir a terra, sentir as vibrações que vem das matas do cerrado e dos rios de aguas tão claras, que parecem não existir.
Conversar com o povo, aprender a  sua sabedoria e guardar como um orô, um segredo de infinitas gamas
  Território Kalunga, Santuário mais que sagrado, preservado, salve salve!

A chegada ao quilombo

Memoria dos antigos na casa dos condutores


Nosso café da manhã no quilombo
 antes de pegar a serra para a cachoeira

Eu, a guia Selma e a delicadeza de Januária

A gente vive, a e a gente aprende. É assim que as coisas funcionam no mundo. Já dizia uma sábia rezadeira que o tempo é o movimento pra frente... e lá no quilombo, enquanto aguardávamos  Januaria, a dona de uma das três lanchonetes existentes no quilombo nos preparou um beiju com chá de capim limão, só o cheiro de chá era reconfortante.Eu ia observcadno o movimento do quilombo naquela manhã fria e pensava de onde tiraria forças para tomar meu banho de cachoeira, síntese do longo caminhar que nos esperava.

De repente, Januaria sai de dentro da pequena cozinha de teto de folhas de buriti. Pede desculpas.  Estava varrendo o terreiro antes da nossa chegada, e infelizmente não podia tirar o lixo, porque o marido tinha saído para resolver problemas. Ele ia vender uma vaca.


Interessada, pus-me a indagar os porquês.

Ela explicou. Quando marido sai para resolver negócios, problemas na rua, o lixo da casa varrida, fica esperando ele voltar. Se jogar o lixo fora, o resultado do negócio não é positivo.

Disse isso  rindo com seu sorriso aberto: "Esse lixo significa uma vaca".  

Estava ainda lá quando o marido chegou a cavalo. Ele havia vendido a vaca.
No nosso retorno da cachoeira, terreiro limpo, nos deliciamos com a comidinha feita para ela e seus filhos e sobrinhos.
Arroz com pequi , gueroba e carne seca picadinha, abobrinha de tão linda que dava vontade de chorar, feijão goiano e um ovo de galinha caipira, para completar suco natural de mangaba, fruto do cerrado.

Isto é o sagrado.

Cachoeira de Santa Barbara: outro segredo. 

Exatamente assim. Pesada, sufocada. Ando com uma vontade tão grande de receber todos os afetos, todos os carinhos, todas as atenções.
Quero colo, quero beijo, quero cafuné, abraço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento, cheiros ... quero parar de me doar e começar a receber.
Sabe, eu acho que não sei fechar ciclos, colocar pontos finais. Comigo são sempre virgulas, aspas, reticências... eu vou gostando... eu vou cuidando, eu vou desculpando, eu vou superando, eu vou compreendendo, eu vou relevando, eu vou... e continuo indo, assim, desse jeito, sem virar páginas, sem colocar pontos... e vou... dando muito de mim, e aceitando o pouquinho que os outros tem para me dar.
(Caio Fernando Abreu)


terça-feira, 1 de novembro de 2011

Facebook: Desativado
MSN: Desativado
Skype: desativado

Vida minha: Desativada

Nada é para sempre.O Rio continua seu curso.

E ele é intenso.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tá bom assim. Tá combinado.
Um dia de sol lindo no Rio de Janeiro.
Depois do frio de Veneza
te sinto intensa
Minha cidade.
Maravilhosa!!!!

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

sexta-feira, 8 de julho de 2011


Num minuto, o vazio.
dali a pouco, o mundo está repleto de ar, sons, cheiros, espaços a serem preenchidos por  palavras
E aí, a viagem continua.....

terça-feira, 21 de junho de 2011

correspondência


Sou uma cética que crê em tudo, 
uma desiludida cheia de ilusões, 
uma revoltada que aceita, sorridente, 
todo o mal da vida, 
uma indiferente a transbordar de ternura. 
Grave e metódica até à mania, 
atenta a todas as sutilezas de um raciocínio claro e lúcido, 
não deixo, no entanto, 
de ser uma espécie de D. Quixote fêmea 
a combater moinhos de vento, 
quimérica e fantástica, 
sempre enganada e sempre a pedir novas mentiras à vida, 
num dar de mim própria que não acaba, 
que não desfalece, que não cansa. 

(Florbela Espanca)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Aí então acontecem coisas que te chacoalham  a alma  e  te levam ao subterrâneo das  suas mais profundas  emoções.
O ideal é olhar pros lados e ver se tem alguma coisa em que se apoiar.  De repente, uma cadeira para  aguardar sentada o desenrolar da história.....  

a princesa cambalhotista



Esse é o vídeo da minha participação no Salão do Livro FNLIJ contando a história do meu livro infantil " a Princesa Cambalhotista", o vídeo não ficou muito legal, mas o que vale mesmo é o registo....

quarta-feira, 8 de junho de 2011

sobre pássaros


Eu poderia falar de tantas coisas...
Poderia falar do que está escondido nas metáforas do dia a dia, nos cumprimentos das tarefas diárias ou de coisas desimportantes como criar ervas daninhas em vasos de jardim.
Poderia falar também dos desertos vastos que vão cobrindo as imensidões das cidades, tão caóticas e solitárias, dos filhos únicos que tratam as pessoas como brinquedos, das chuvas finas que são aguardadas com temor pelos cariocas e fluminenses, poderia falar do imenso frio que faz no Rio, e do calor interno das pessoas que continua o mesmo. Poderia  falar do meu jardim, das minhas rosas que crescem despetaladas, como se tivessem medo de mostrar toda a sua beleza. Poderia falar dos risos das crianças que ecoam pelas escolas. Adoro riso de crianças na escola, dá vida aos prédios geralmente velhos e que  guardam em seus fossos,as memórias de outros tempos.

Poderia falar de escolhas  e tempos idos..

Sobre a mágica intensa que é amadurecer no mesmo corpo que desconhece os limites e a  evolução do próprio tempo.

Poderia falar do tempo. Esse arcanjo mágico, que parece passageiro, mas que nos engana o tempo todo quando buscamos na memória, as lembranças esquecidas e nos deparamos com  o incredível: O tempo, esse vasto, passou... e nos deixou aqui...ilesos , fragéis em nossa condição humana, perdidos num vago mundo entre ser e pertencer,  emparedados entre mundos passados e futuros.

Poderia falar da esperança. A última que morre, mesmo sem adubo, mas prefiro falar dos passarinhos, estes seres espaciais, que cantam a canção do mundo, desde que o mundo é mundo, com o mesmo tom, com o mesmo timbre, com a mesma marca...

Estes passarinhos que livres, podem sair voando e conhecer um céu livre de tecnologias,esses passarinhos que não sabem o que é a dor do amor, pois incorrigíveis, não se deixam enganar pelos sentidos.

Passarinhos da floresta divertem-se noite e dia, num alarido colorido e infinito junto a uma imensidão de céus e de manhãs.
Passarinhos da cidade, quando fogem da  gaiola, acabam fazendo seus ninhos nos buracos do ar condicionado dos grandes prédios em construção.

E o que mais me impressiona, é como podem aceitar com mansidão sua sina.

Mas depois me lembro: Eles podem voar.

E o mundo fica manso outra vez.  


   

a princesa cambalhotista

Hoje é o lançamento do meu livro infantil " A Princesa Cambalhotista"  que conta a história de uma princesa que apesar de herdeira de um grande reino, ousa desafiar o seu destino...

O lançamento será no Salão  FNLIJ  no Centro de Convenções SulAmerica, no centro do Rio, na Cidade Nova.

Quem puder ir, será bem chegado.

terça-feira, 7 de junho de 2011

mulheres que correm com os lobos

Estou lendo Mulheres que correm com os lobos da psicanalista junguiana Clarissa Pinkola Estés.

Entre uma e coisa e outra, ela vai trançando um resgate histórico da simbologia feminina no decorrer dos tempos, a busca pela nossa fêmea essência, no arquetipico da mulher selvagem.
A mulher que se doma e doma as coisas ao seu redor, libertando-se dos paradigmas impostos pela sociedade, costumes, religião, etc.

Gosto principalmente da parte de La loba, a velha mulher que recolhe ossos de animais  nas florestas e bosques..

Depois de recolher ossinho por ossinho dos animais, ela  só descansa quando  forma o esqueleto completo.

Completo o esqueleto, no caso de ser uma  loba, ela vai se transformado e ganhando  forma e musculatura e sai  correndo floresta a dentro,  mundo à fora,  protótipo da mulher livre de tudo, principalmente das amarras internas que sufocam a alma, a criatividade, as histórias vividas e passadas, no caso, a própria vida..

A cada página  as sensações, vão ganhando espírito e  vai brotando na minha quintaessência aos borbotões, a certeza que eu também  preciso ir buscar meus ossos