Total de visualizações de página

quarta-feira, 31 de março de 2010


Eu sou meu outono

Manoel de Barros

terça-feira, 23 de março de 2010



 

 VOe....vOE...VoE.....








sobre o dia da água.



O Dia da Água foi "comemorado" ontem.
Não me prendo a comemorações datadas.
Dia da água pra mim são todos os dias.
Esse  bem essencial, esse direito humano indispensável,  faz parte das minhas preocupações diárias.
Hoje a matéria do Globo Ciência nos dá a dimensão do quanto é duro o cenário da água no planeta.Duro, e infelizmente previsível para aqueles que acompanham com seriedade esse ass:unto.
Vamos às estatísticas, segundo o Programa do Meio Ambiente das Nações Unidas, o UNEP:

1- As águas do planeta estão cada vez mais poluidas causando a morte de inúmeras pessoas por contamição, Essa contaminação causa  mais  vítimas do que as nossas  conhecidas violências e  mais do que o número de mortos em guerras;
2-  A falta de água limpa mata 1,8 milhão de crianças com menos de 5 anos de idade anualmente, o que representa uma morte a cada 20 segundos;( ate você  acabar de ler esse artigo inúmeras crianças morreram tendo como causa mortis,  água poluída)
3- Grande parte dos despejo de residuos acontece onde? Nos paises desenvolvidos. Estes paises lançam 90% da água de esgoto  sem tratamento
4- No Brasil, morre-se por diarréia, ou seja falta  por falta de saneamento básico.
5-Mais da metadae dos leitos de hospitais do planeta são ocupados por pessoas  com doenças  ligadas à água contaminada;
6-Dois milhões de toneladas de resíduos contaminam cerca de 2 bilhões  de tonelasa de água diariamente;

A previsão para o futuro é catastrófica: Até 2025, a estimativa é que dois terços da população mundial vão sofrer por escasez  de água, agravando a situação de paises que hoje, já sofrem a falta desse bem essencial à vida digna.
 
Odeio escrever esse tipo de noticia. Me dói profundamente ver  do que somos capazes de fazer.

Mas enfim, a ordem é não desistir. Vamos economizar, vamos fazer pelos outros que não tem consciência, por aqueles que insitem em lavar suas calçadinhas com nossa doce água doce.Vamos fazer por aqueles que tomam banho de 10 a 20 minutos como se não houvesse amanhã, que desperdiçam pelo simples prazer de desperdiçar, por aqueles que se fingem de mortos diante das questões ecológicas, por aqueles que insistem em não acreditar...

E vamos   à luta, vamos conscientizar.
Para conscientizar não precisa necessariamente ser ligado a nehuma instituição ambiental, basta ser critico, amar, respeitar  a  natureza e o meio ambiente que nos cerca.

Eu sempre fui ecóloga e desbravei lutas sem estar ligada a nenhum entidade.

Minha luta é nas escolas com os professores que traballho, com meus alunos e nossas artes com sucata, nas minhas atitudes diarias,  na educação dos meus filhos, na minha  pequena coleta  seletiva, enfim... Eu relutei muito antes de atuar numa ONG ecológica, como faço agora.

 E não me arrependo. As vezes é necessário se unir para se organizar melhor e atuar em causas maiores, pois sem consciência ecológica,  sem ações, pequenas ou grandes, o futuro será bem  mais apocaliptico do que já se delineia.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Maurizio Catellán

Me encontro definitivamente distante de tudo e todos.

mais longe  do que qualquer kuasar.

Chico Mendes para crianças

No início dessa semana tive uma surpresa muito agradável.

Finalmente meu livro infantil do Chico Mendes está pronto, lindamente ilustrado pela Simone Matias e  assim que eu recebi meus exemplares tratrei logo de sair divulgando por aí.
Por sorte minha, o universo conspirou a favor,  e de cara presenteei o ministro do Meio Ambiente Carlos Minc  que estava inagurando um projeto chamado Agua Floresta em Mesquita,  cidade vizinha à minha, governada pelo querido Arthur Messias, e que disse que adorou a ideía de ter a vida do Chico contada para crianças.

Bem, que esse livro seja abençoado com todas as benções cosmológicas!!! Amém.

 Arthur Messias, prefeito de Mesquita, eu e Minc

idem










quarta-feira, 17 de março de 2010

A pior coisa que pode acontecer na vida de uma pessoa é a convivência com pessoas que sugam a sua energia interior..
Aquelas pessoas  que a despeito de tudo, te emperram o processo contínuo e orgânico da vida.
Te fazem dormir, ao invés de te acender.
Pessoas âncoras.
 Pessoas que às vezes pensando que estão te fazendo o bem, te atolam num mar de energia sugadora...
Contínua.
Exasperante.
 E o pior da vida é quando você de alguma maneira está emaranhada nessa teia auto destrutiva, sem saber pra qual lado é a porta da saída.

 




segunda-feira, 15 de março de 2010


 Sigo andando nas pontas dos pés......




Ah sei lá. Queria tanto ganhar rosas cor de rosa....


domingo, 14 de março de 2010

manual



Isso , vamos inspire, não pense. Se faça de boba, se finja de morta, deixe que as pessoas catem o que elas mesmo jogaram no chão. Não tenha medo, não chore, olhe o céu, veja quantas nuvens, meus olhos de céu. Pense sempre nisso. Nunca faça o que eu falo, mas  não desbunde o que eu faço. Voe, cante, esteja sempre alerta, olhos de tigre.
Não perturbe,dê 5% para a camareira, não reclame, ouça Maysa e insista "Não sou louca, não sou louca",  sou é besta. Sim, quando faço isso, eu juro que penso que é com você, não sou dada a relações pré-me- ditadas. Queria escrever como Clarisse. Queria respirar Adélia, queria dormir  comigo mesma e acordar satisfeita, como naquela noite em que você me acarinhou, naquela noite que você me prometeu, naquela noite que você manejou as minhas dores. Não se esqueça ...Não fique louca, não fique louca. Tenha apenas pressa, mas ande devagar.Nunca vá pela direita, e não amarre seus sonhos nos calcanhares dos outros, não jogue sujo, e não faça sexo sem vontade. Vocifere, não se deixe enganar, não espere telefonemas no dia seguinte, a chuva cai da calha e molha a varanda das plantas, observe a chuva,  isso é tão bonito...
Se der confiança, o mundo inteiro se intromete na sua vida, nunca esqueça a dor do tapa, nunca esqueça quem te deu o tapa, nunca esqueça que chorou sentada atrás da porta e todos debandaram pelo  elevador de serviço. Levanta, adiante tem um caminho.Sacoleja, vá pelo atalho, desvio. À esquerda. Segue, professe vida e não pessoas, não se engane  com palavras bonitas, as melhores palavras são aquelas que ficam nos olhos.
Não deixe nada para amanhã.Não tenha medo da guerra nem do terremoto, retoque a maquiagem, depile as pernas, pinte as unhas de roxo batata, esteja pronta quando o avião decolar, esteja pronta sempre, cante o hino de palavras indizíveis,esteja sempre, seja sempre. Ouse, compre coisas para o seu prazer, se toque, toque, toc toc, diga o que está esgasgado na garganta, sorria, não negue se perguntada, não finja, goze de verdade.Não vomite no dia seguinte. Engula.Tome banho frio, se esbalde de mangueira, no mar, no rio...
Nunca faça de conta, viva, diga, não guarde,se distraia, e não pense, não pense.
Pensar enlouquece.

dia da poesia

AVESSO

Atravessaria um rio grosso
no meio da noite
para decifrar tuas pegadas,
o rastro luminoso dos teus olhos.

Atravessaria a superfície
silenciosa dos espelhos
para ver o teu avesso.

Caminharia sobre água
e fogo
para soletrar teu corpo.


Poesia de Roseana Murray in Recados do Corpo e da Alma, ed. FTD, 2003

quinta-feira, 11 de março de 2010


Todos os dias de manhã acordo pensando numa coisa que devia ter feito, falado,ou reparado mais atentamente.

Tem dias em que eu quero tudo, da maneira que sonho, quero suor do bom,  sem me importar com  nada e nem com  ninguém...
Quero dar as costas para os disabores, para os entreveros, para ...tudo.

Tem  dias em que quero me esconder debaixo da cama, de algemar as minhas mãos, de congelar as horas, de reviver uma tarde, de perguntar o inevitável, de aceitar o imprevisível, de chorar até cansar....

miudezas depressivas

Cena de hospital, 22h de uma quarta feira, num municipio da Baixada Fluminense.Um médico e paciente conversam.


-Me explica que eu não estou entendendo, o que você está sentindo agora? Esquece o que você sentiu de de manhã.

-Agora, eu sinto uma pressão dos lados da cabeça, uma tonteira, vontade de vomitar, pressão no peito, angustia, moleza, fraqueza, vê, eu não quero nem conversar com você. Aliás, já tem uns dias que eu não quero conversar mais.

-Sei. Mas me explica como é isso.

- Eu não sei explicar, sei que estou me sentindo mal, será que foi a Antartica que eu bebi  ontem? De repente é uma ressaca daquelas e eu preciso tomar uma glicose básica.

-Não, não é isso não.

- Pressão alta?

-Não, sua pressão tá 12/8.

-Hummm, sei. Então o que será?Aborrecimento não é, estou muito contente ultimamente. Isto é, fora as contas acumuladas, mas isso eu já estou acostumada, todo mês é sempre assim.

-Você me falou que já tomou antidepressivos. Parou há quanto tempo?


-Virgem santa, minhas mãos estão tremendo vê? Um ano e dois meses. É só falar em anti depressivo que eu fico nervosa...


- Pois é, não fica nervosa não. Minha indicação é que você  procure seu médico, converse com ele e recomeçe  o tratamento, você está sentindo emoções e sentimentos conceituais demais,coisas inexplicavéis, apresenta humor triste, seus sintomas físicos indicam que você  está inicinado novamente o processo depressivo...

-Desculpe Dr., eu não queria chorar....

- Tudo bem. Enfermeira, traz um lexotan pra ela.

quarta-feira, 10 de março de 2010

 Frida Kahlo-La Columna Rota


Quando se tem muita coisa a perder,

É melhor deixar a chuva acalmar.

A marquise é um bom lugar para esperar passar o aguaceiro.

Aceite o mundo como ele é.

segunda-feira, 8 de março de 2010

uma rosa para todas

"No meio das trevas, sorrio à vida, como se conhecesse a fórmula mágica que transforma o mal e a tristeza em claridade e em felicidade. Então, procuro uma razão para esta alegria, não a acho e não posso deixar de rir de mim mesma. Creio que a própria vida é o único segredo."


"Há todo um velho mundo ainda por destruir e todo um novo mundo a construir. Mas nós conseguiremos, jovens amigos, não é verdade?"
 

Rosa Luxemburgo

Seguiremos em MARCHA na luta até que TODAS sejamos LIVRES das amarras da desigualdade!!! 

domingo, 7 de março de 2010

vida real

Era uma vez um casal sul-coreano.
Ele tem  45 anos e ela,  25anos.
Ambos passavam  a maior parte des seus tempos jogando  um game chamado Prius, cujo objetivo  é proteger   a menina virtual Anima.

Enquanto isso, a filha de três meses  do casal ficava sozinha em casa e se alimentava com apenas uma mamadeira por dia.

Numa  certa manhã de setembro do ano passado, depois de passar a noite toda num cyber,  o casal ao chegar em casa, encontrou a filhinha morta. 

A polícia  então descobriu que a criança havia morrido  de fome.  Sim senhor, de fome.

Entretanto, Anima a menina virtual, era muito bem protegida e cuidada.

O casal viciado  foi preso. 

A população da Coréia de Sul é de 49 milhões de pessoas. Desse total, 17 milhões são jogadores. Os considerados pelo governo como viciados são 300 mil. Destes, de acordo com dados de 2007, os casos mais graves chegam a 30 mil.

Horror.
Horror

Insone.

Insólita.
Insana

sexta-feira, 5 de março de 2010

sexta feira

 
Roubei do Blowg


Solta na vida
Danço.
Esse dessasossego é parte.
Roubo um sorriso. Me basta.
Se olhar matasse, estava morta.
Não choro pitangas, as como.
com prazer e delicia.
E vou indo entre trancos, barrancos e inúmeros papéis.

  Porque hoje não vesti branco, nada aconteceu do jeito que quis.
Promessa quebrada.

Sonhos levados pelo aguaceiro.
 

Então me explica.

quinta-feira, 4 de março de 2010

sobradinho

Hoje eu  recebi uma visita de alguém de Sobradinho.

Sobradinho é uma cidade que nunca fui, mas que é marcada pela música de Sá e Guarabira que poeticamusicalmente expõem  toda a problemática das construções de reservatórios, que chegam nas cidades e invadem tudo,  alagam tudo, em nome do tal progresso.

Essa música faz parte de mim. Sobradinho faz parte dos meus momentos.É uma das canções-tema da minha vida.

Cantei  muito  essa música e  foi com ela que  arrisquei minhas primeiras notas no violão.

Taí.

Sobradinho.

Nessa tarde onde tudo parecia verdade. 




Sobradinho

(Sá e Guarabyra)
Clique para ouvir em RealPlayer com Sá & Guarabyra



O homem chega, já desfaz a natureza
Tira a gente, põe represa, diz que tudo vai mudar  

O São Francisco lá prá cima da Bahia
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
E passo a passo vai cumprindo a profecia

Do beato que dizia que o sertão ia alagar
O sertão vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vire sertão

Vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vier sertão  

Adeus Remanso, Casa Nova, Santo Sé
Adeus Pilão Arcado, vem o rio te engolir  

Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
Por cima da cachoeira o gaiola vai subir
Vai ter barragem no alto do Sobradinho
E o povo vai se embora com medo de se afogar ...

Remanso, Casa Nova, Santo Sé, Pilão Arcado, Sobradinho adeus, adeus







quarta-feira, 3 de março de 2010

sobre a amazônia


Do avião fiquei petrificada com o que vi. A floresta amazônica é pasto.

 A floresta amazônica é plantação de soja.

No meio do nada, um rastro vermelho surge na imensidão verde. É uma estrada que começa em nenhum lugar e vai dar em lugar nenhum.

Retalhos, formas geométricas abstratas rompem a todo momento.

O DNA da terra é vermelho.... 

Se nesse mundo ninguém respeita ninguém, reserva legal parece piada de botequim...


Peguei  a máquina pra tirar uma foto, mas decidi que não queria tirar uma foto da devastação da amazônia;
queria tirar uma foto da floresta amazônica.

Mas infelizmente ela não estava lá.

Chove e os carros passam correndo espirrando a água cinzenta de asfalto.

Chove e no meio da tarde um sorriso acende um lampejo de saudade.Nada de mais.

Tanto tempo e nada a ver.

O mundo gira e gira tanto que  nada do que era, tem mais importância.
Chove direto e a última viagem de avião me deu fobia.
Mas a chuva é boa, me remete à revelação...

Chove e o taxi tem cheiro de guardado.Mas eu não me importo.Ninguém me deve satisfação nenhuma.

terça-feira, 2 de março de 2010


Ela riu sozinha no meio da tarde chuvosa.
ele brilhava nas suas retinas
Bem ali diante dos seus olhos.

Os cabelos molhados, o abraço quente.
Ela pensou: -Eu sou forte, muito forte por resistir a esse sorriso, e a tudo o que ele me faz...

Acordou, deitada no sofá.

Um sorriso sofrido enfeitou seu  rosto.

Um sonho apenas.


Foi pra cozinha fritar um hamburguer e acabar de assistir a sessão da tarde.

segunda-feira, 1 de março de 2010



"Não troco o meu "oxente"pelo "Ok"de ningúem"
Ariano Suassuna

sobre indios nambiquaras

Muito ouvi por aqui .

Estou sempre atenta prestando atenção nas coisas, e principalmente nas palavras.
Não sei dizer se os indios deveriam coexistir com a nossa sociedade. É necessário realmente que o índio coexista?

A coexistência de alguns povos já nos desmonstrou historicamente o que a nossa sociedade faz com  quem considera inferiores, devora sem dó nem piedade.
Se uma pessoa que vê uma aldeia por fora não consegue perceber sua grandeza por dentro, não deveria necessariamente  sair por ai a dizer um monte de asneiras.

O que nossos olhos sentem como pobreza de indio, é apenas um modo de vida tão antigo como o próprio tempo prejudicado,arruinado pela coexistência forçada ou não.
O que precisa é haver discussào na sociedade do que  seja  os valores civilizatórios e qual a sua aplicabilidade.

Querer organizar os indios para que eles não passem fome num universo de 1 milhào e meio de hectares, é justo, mas será realmente necessário essa organização?
Querer que o indio pense como o branco é reduzi-los a indios que pensam como branco. Um caminho  mais rápido para a extinção completa da etnia.

Fiquei feliz de ver uma autêntica festa dos nambiquaras.
Os indios e indias comemorando felizes um dos rituais de passagens mais bonitos  e importantes da aldeia.
As mães das moças meninas estavam orgulhosas e demonstravam isso  cantando e dançando.
É um outro universo de simbolismo, mas a preocupação materna estava ali, como de qualquer outra mãe no planeta terra.

Aliás, na conversa com as mulheres,filhos e maridos, foram nosso principal assunto e rimos tanto, e falamos tanto, e ao falar dos nossos pequenos, ali estava o amor, e ao falar dos maridos, homens em geral, lá também estava a crítica, a beleza do relacionamento ou não, as mazelas e as delicias também.

As crianças falam nambiquara, as mulheres educam seus filhos em nambiquara, falam entre si na lingua materna e as crianças maiores  aprendem o português nas escolas bilingues nas aldeias.

Não houve como nao comparar esse valor linguistico com a baiana que viajou comigo no vôo Brasília Cuiabá.
Ela vinha da França com a filha de apenas 1 ano.
A menininha estava irritada e eu  resolvi brincar com ela para acalmá-la. Eu falava e cantava e nada da menina interagir. Até que  a mãe falou: Ela não fala português, só francês.
Ao longo da conversa  descobri que o pai era brasileiro, e que eles não  ensinavam  para a filha a lingua materna. Levei um choque.

No meu conceito, nada justifica que aquela mãe cantasse para a filha dormir uma musica francesa, ao invés do nosso doce "nana nenê... falar francês seria mais civilizado que falar o português?
Então fiquei pensando ...
O que é ser civilizado,  o que é se achar civilizado, renegar o que é nos é tão próprio, o que nos é tão caro, quanto nossa cultura, nossa lingua materna?

Afinal,
Coexistir é o que?
Se organizar e pensar como branco?
Querer as mesmas coisas que o branco quer e almeja?
Ser como o homem branco trará menos "miseria" para si e para os outros?
Existe toda uma gama de possibilidades.

Respeitar essa organizaçào e este universo é o primeiro passo.
Empoderar o indio através depoliticas publicas é uma outra saída possível.
Enfase na educação  étnica e anti-racista porém , é fundamental.
Conceitos como civilização e atos civilizatórios precisam ser repensados. E no que isso implica? mudança de posição.

Nào tenho o costume de fotos pessoais, mas excessões existem. As fotos estão muito escuras por conta do flash da máquina que estava ruim.
Tirei poucas fotos também, porque estava lá para compartilhar e aprender e não para fotografar, necesseriamente e ofuscar o brilho da festa.

 A roda e a dança 


Eu aprendendo nambiquara com as crianças
 \

Ainda com as crianças, ao fundo Ana, a antropóloga que nos acompanhou


  A lua, redonda e soberana que clareou a noite




A oca  que guardou durante 3 meses as meninas-moça 



Uma árvore no meio da aldeia


Heverton, Renato, filho do Homem Algodão e eu.