Total de visualizações de página

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

...


Ando me observando por estes dias.

Quieta, percorro os corredores de mim mesma, espano meus problemas esquecidos como quem zune com as teias de aranha dos cantos.

E mesmo me recusando terminantemente a me fazer promessas, me vejo debruçada na janela contemplando o futuro de coisas boas.
Mas não ouso tanto.

Não ouso sequer enumerá-las nas velhas e conhecidas listas, companheiras de uma vida inteira.

Não sou tão corajosa a ponto de armar planos infalíveis e me entregar cegamente a eles.

Desde que vivo um dia após o outro, larguei de lado meu eu acrobático e dou vida a esse eu enfadado de gola rulê.

E por mais que tente me levar a sério, ainda sonho em brincar neste parque de diversões chamado vida.

Como o pequeno príncipe, tenho uma rosa viva guardada numa redoma cujas pétalas guardam uma esplendorasa e calma beleza.

Minha rosa também está perto de despertar.

Mas sou modesta e tranqüila, e sei esperar pelas idiossincrasias da vida.

E vou pela sombra para não me queimar, e vou criando casos porque pra isso nasci.Também sou eloqüente.Gosto de verbalizar. Dou graças a deus, pela poesia.

E como tenho um pouco de boba, um pouco de louca vou me observando sem comoções desnecessárias, me desprendenedo do que é sobra, escacarando as portas para os meus desejos novos.

Timidamente. Sem pretensões.

E,modestamente vou tomando posse do que é meu.