Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009


Gaelle Boysonard


Tem pessoas que vivem para viver a vida dos outros.

Talvez porque as suas  vidas sejam tão insignificantes, tão sem significados que viver a vida dos outros seja a única coisa realmente interessante que tenha para se fazer das próprias vidas.

Eu não entendo bem isso, já que viver minha própria vida me cansa demasiado.

Fazer minhas escolhas.
Tecer minhas vontades.
extrapalor minhas alegrias.
esconder minhas tristezas montanhosas, minhas pequenas miudezas, meu medos indefesos, meus egoísmos dissimulados,são ações que  tomam todas minhas horas.
Tenho tanto o que pensar em mim, nos meus, na minha vida, na minha palavra,que sequer me sobra tempo para mim mesma.

Para cuidar de minha alma, não fundir a minha cuca, me olhar numa outra perspectiva, apreciar a flor de um jardim, ler um livro, ir numa exposição de arte...

E mesmo se eu tivesse todo  tempo do mundo, taí uma coisa que eu não me ocuparia: da vida dos outros.

Muito me assusta e ao  mesmo tempo preocupa, as pessoas, que tendo uma vida toda para
 viver, deixam as suas atividades pessoais e profissionais de lado, seus amores, seus sonhos, enfim sua vida para cuidar da vida do outro, infernizar o outro, maltratar o outro, trazer sofrimento para o outro...

Tenho o péssimo hábito de cuidar de mim mesma.
Por isso não me considero nem um pouco homofóbica, preconceituosa, antisemita,nem nenhum tipo que passe o tempo julgando  os outros.

Não tenho tempo pra isso.


A minha vida basta por si só.