Total de visualizações de página

sábado, 12 de junho de 2010

estevão silva

 
Vivendo neste mundo e aprendendo com ele no dia a dia.

Estava eu hoje numa reunião politica, quando chega um amigo, com dois livros muito interessantes.Um era a história do ferro de passar roupa no Brasil. Um verdadeiro compêndio ilustrado sobre esse objeto tão útil na  nossa vida doméstica.
Encontrei até um Cunha que tinha na minha casa, herança da fazenda onde minha mãe nasceu, que usamos até a minha idade de 8 anos.

Teve uma época na minha infância de dureza muito grande, e nosso ferro queimou. Minha mãe, como todas nós mulheres, que temos família e pouca grana, usou a imaginação e colocou o velho ferro de carvão pra funcionar. Mas ao invés de carvão aquecíamos o ferro  no fogão mesmo e  passávamos todas as roupas da nossa casa.

Esse ferro  de 1800, ou seja, da época da mina bisavó teve vida útil na minha casa até muito tempo. Quando nossa situação melhorou, minha mãe jogou o velho ferro de carvão fora.
Hoje ele seria uma relíquia. Mas eu entendo o gesto da minha mãe. Na verdade, ela estava jogando a vida velha fora.
O outro livro era um livro dos pintores negros dos anos oitocentos.

Esse sim, é um verdadeiro tesouro!! Um verdadeiro diário dos nossos costumes, figurinos, arquiteturas, biótipos, comidas, enfim, um tesouro!!!!!

Lá tem pintores maravilhosos que eu nunca tinha ouvido falar, entre eles estavam Zammor e Estevão Silva.

Estevão Silva foi o que mais me chamou a atenção pelo traço elegante da sua pintura, pela beleza quase sagrada da sua natureza morta que é tão diferente da que vemos por aí, mesmo nos mais famosos pintores europeus.

A natureza morta de Estevão é viva, orgânica, salta os olhos.  É claro que não podemos comparar os estilos dos diversos pintores que se dedicam à natureza morta, mas a de Estevão é delicada, integrada ao espaço histórico.   Você quase sente a textura, o cheiro e o sabor das frutas e legumes.




O livro é de uma beleza arrebatadora, além de contar fatos pouco conhecidos da vida dos pintores, suas trajetórias e muitas curiosidades interessantes.

Infelizmente eu não peguei o nome correto e seus devidos organizadores, mas vou suprimir essa falta com vocês e deixarei aqui a bibliografia certinha para quem se interessar.