Total de visualizações de página

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Sair para Dançar.


Hoje acordei com uma pensação fixa.
Sobre como o tempo passa e a gente não percebe.
São tantos os problemas, as ciladas do destino, contas a pagar, que o menos interessante da vida acaba mesmo sendo viver.
E entre tantas coisas, quase não sobre tempo para viver com prazer.
Prestar atenção a coisas simples.Como o que o teu filho está dizendo, ler histórias para eles na hora de dormir, conversar com a mãe sem dar piti, dar um beijo gostoso no marido, acompanhar os sobrinhos indo para a faculdade, almoçar com as amigas, dar umas paqueradas, relaxar na hora da transa para gozar, mas gozar de verdade...
E o tempo passa minha gente, passa e a gente nem vê...
Isso mesmo, o tempo bate na porta da frente e entra sem pedir permissão.
O sinal é quando os primeiros cabelos brancos apontam, e seu marido quer arranca-los à força, e você, corre desesperada até a farmácia mais próxima e compra uma tintura para cabelos de uma cor bem extravagante.
De preferência, vermelho intenso.
Vermelho aliás, parece ser a cor da moda nas mulheres entre 35 e 45 anos.
E elas tem razão.
Vermelho libera a adrenalina, é paixão, é energia, vitalidade.
Tudo aquilo que parece que a gente vai perdendo aos pouquinhos, quando abre os olhos em mais uma manhã.
Eu porém creio na máxima que o tempo é aliado e não inimigo.
Gosto de aceitar que o tempo está passando. Ter o tempo como amigo, faz bem a pele e aos cabelos. Não se preocupar com tempo, faz você parte dele.
Minha mãe me disse uma vez uma coisa, que só hoje eu paro para refletir: “ Só comecei a perceber que o tempo havia passado quando completei 60 anos!”
Hoje, ela ostenta80 anos bem vividos, é lúcida, tem somente 40% de cabelos brancos, não tem estria, neura de celulite, depressão e nem pinta os cabelos.
Não alimento recordações nostálgicas. Aliás, creio que o passado tem seu lugar. E o lugar do passado, é no passado mesmo.
Mas não posso negar que corre na minha veia, um simples desejo de que o tempo, esse inimigo-amigo- aliado, passasse mais devagar
Mas não desejo voltar atrás , nem pros 22anos, que foi a éteria fase
Gostaria apenas de um dia desses, sair para dançar.Como nos velhos tempos.
Pular uma noite inteira, ao som de Jorge Ben.
(Tudo bem,do Jorge Ben Jor.)
Para aqueles que não acreditam que o tempo é amigo, graça a Deus existem as tinturas de cabelo, o botox, o silicone...
Para aqueles que como eu, acreditam que o velho tempo pode ser um companheirão,
Basta uma noite, uma noite apenas sair para dançar e se esbaldar ao som de Jorge Ben.
Jor.