Total de visualizações de página

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

(imagem Maggie Taylor)

Hoje de manhã acordei decidida a enfrentar de vez a  minha situação.

Certas decisões fazem uma diferença danada na vida de uma pessoa. Eu por mim mesma, tomei uma decisão que nada interfere na vida alheia.

Decidi que tenho que focar a minha escrita em algo pálpavel.
Não sei bem o que isso significa, mas deve significar algo, pois na hora que pensei  achei realmente que estava tomando a decisão que iria mudar meu destino, tomar a rédea do meu caminho, enfim, aquela luz no fim do túnel.

Achei que as coisas por aqui andam meio insossas e que devia alguma escrita  de qualidade às pessoas que ou caem aqui de paraquedas ou realmente frequentam  acreditando que eu tenha algo para dizer.

Esse ter algo para dizer é uma coisa meio estranha quando você escreve de manhã e seu estomago está na verdade querendo que você desça e tome um café, vendo Ana Maria Braga, afinal, ninguém é de ferro, para filosofar em  tão tenras horas, ainda mais com a  barriga vazia.

Mas retomando, decidi que agora só vou escrever coisas  sérias, e que interessem a um público variado.

Nada de ficar falando em coisas pessoais como "Hoje é o meu primeio dia de férias, não sei se morro de felicidade ou de tédio," ou então "Vocês viram as últimas crônicas do  Xexéo? ou "Estou sofrendo de depressão profunda, não sei se corto os pulsos ou  se vomito até morrer."

Ou dou dicas sérias: Leiam  Piauí.

A verdade é que nesses dias, estou tentando me dar uma levada a sério, se por acaso, eu não conseguir, me perdoem, o ser humano é fraco mesmo, e essa capacidade humana de rever é tudo na vida de uma pessoa insegura como eu.

Mas não poderia terminar o que nem comecei sem  dizer  que o que gostaria mesmo era que a minha porção MM (Marta Medeiros) entrasse em ação, pulasse no campo e pimba na gorduchinha!

Queria uma porção dessa   maga da fala popular, que diz  uma coisa e todo mundo entende, que tem a peraltice de se  dizer uma chata, e todo mundo achar marailhoso.

Mas como vou dizer pra todo mundo  que eu também sou  uma chata? Tenho somente 3 leitores assíduos que descambarão pra outros lados se descobrirem a verdade de mim mesma.

Corre o risco até de eu mesma, descambar pra outros lados.


Apodrecer sozinha  no facebook.

Viagem de careta dura pouco.

Não adianta muita coisa querer ser cronista.
Isso não se aprende num dia, nem se decide de próprio punho.


Estou com preguiça. Vou tomar  o meu café.